"A PRINCÍPIO RECEEI QUE ME DISCRIMINASSEM POR SER ESTILISTA"
Estudou Arquitectura porque considerava esta uma saída profissional mais segura, mas desde criança que idealizava a sua vida como designer de moda. Para o grande público, o nome Ricardo Preto pode ser ainda razoavelmente desconhecido, mas o meio da moda está mais do que conquistado.Ricardo começou como ajudante de Dino Alves, desenvolvendo, ao longo de três anos, todas as linhas de acessórios do criador, o que também fez com Osvaldo Martins. Depois de ter apresentado duas colecções nas Manobras de Maio e de ter participado no Portugal Fashion, Ricardo integrou a plataforma LAB da ModaLisboa, em Março de 2006, passando depois a figurar no certame em nome próprio. Desde então, a sua vida mudou por completo e aquilo que jamais julgou ser possível é hoje, aos 36 anos, uma realidade.Foi durante uma conversa descontraída na sua casa de férias, no Meco, que Ricardo confessou sentir-se numa fase de grande realização, de tal maneira que vive completamente dedicado ao trabalho. "Desde criança que o meu sonho era ser estilista. Adorava desenhar e estava sempre a inventar coisas." - Ser estilista estava nos seus planos ou aconteceu?Ricardo Preto - Desde criança que esse era o meu sonho. Adorava desenhar e estava sempre a inventar coisas. Fazia bonecas de caixas de papel e depois desenhava colecções para cada uma delas. - Os seus pais sempre o apoiaram ou pertencem àquele grupo de pessoas que vê na criação de moda uma actividade mais feminina?- Fui eu que criei esse cliché com a sociedade. Eu é que no início tive receio que me discriminassem por ser estilista. O meu pai é uma pessoa ausente, mas a minha mãe apoiou-me sempre. - Alguma vez sentiu essa discriminação?- Não, acho que era uma coisa da minha cabeça. "Esta profissão é realmente tão absorvente que a única solução que encontrei foi mesmo casar-me com o trabalho." - Isso quer dizer que a sua escolha foi realmente acertada?- Parece que sim. [risos] De há seis anos para cá a minha vida tem mudado radicalmente. Há três anos achei que estava na altura de mudar e recebi um telefonema da Isabel Branco que me convidou para fazer o Portugal Fashion. Senti-me superimportante, pois há poucas oportunidades na moda e ter logo uma dessas é realmente fabuloso. Logo a seguir, no mesmo dia, à noite, o Mário Matos Ribeiro convidou-me para fazer a ModaLisboa. Como já tinha dito que sim ao primeiro convite, tive de recusar, e depois de ter feito o Portugal Fashion, passei para a ModaLisboa. - Quando faz uma criação, qual é a sua maior preocupação?- O corte, a confecção e os tecidos. Depois, faço questão que os meus clientes tenham um ar saudável, não gosto de desconstruir nem o homem nem a mulher. "A minha vida tem acontecido por sorte, por pessoas que acreditam em mim e pelos amigos que me rodeiam." - Sente-se um homem sortudo?- Também. Mas sempre acreditei em mim e no meu valor. Acho que quando isso acontece, as outras pessoas passam a acreditar também em nós e as coisas acabam por surgir. Trabalho 14 horas por dia, mudei-me para o meu ateliê, um espaço com 250m², onde coloquei uma cama, para estar totalmente disponível para o trabalho. - Um verdadeiro workaholic...- Estou e serei durante os próximos cinco anos, mas não me sinto workaholic, pois faço aquilo de que gosto. O meu objectivo de vida é alcançar o sucesso profissional. - Acima de qualquer outro?- Exactamente. Esta profissão é tão absorvente - quando se acaba uma colecção já se está a preparar outra -, que a única solução que encontrei foi mesmo casar-me com o trabalho. [risos] "Gosto imenso do Natal. Para mim, esta é uma época de recolha." - E onde sobra tempo para a parte pessoal, para a família e os amigos?- Os amigos percebem que este é o meu projecto de vida e tudo também acontece porque eles me dão o maior apoio. A minha vida tem acontecido por sorte, por pessoas que acreditam em mim e pelos amigos que me rodeiam e estão sempre a meu lado para tudo. - Imagino que, apesar de tanta dedicação, faça forçosamente uma paragem em épocas especiais como o Natal...- Aí tem de ser. É uma época de que gosto muito e a que ligo imenso. Passo o Natal sozinho com a minha mãe e a minha sobrinha e usufruímos dos três dias de Natal a viver este espírito à séria. Para mim, é uma época de recolha. - Quer isso dizer que faz preparativos e repete tradições?- Sim, decoramos a casa a rigor, usamos roupas novas, fazemos a tradicional ceia, ouvimos música de Natal... Tudo como manda a tradição. [risos] Vivemos estes dias com muita comunhão e adoramos estar juntos. São sempre dias maravilhosos.


You may also like

Meam by Ricardo Preto in Vogue Portugal
2013
Nova coleção de fardas no Bairro Alto Hotel in Ambitur
2017
Ricardo Preto, Verão 2017 | Homem in Máxima Portugal
2016
Lado a lado in ELLE PT
2017
RICARDO PRETO | «Sou um homem feliz» in Villas&Golfe
2015
Ricardo Preto personaliza isqueiros BIC in Máxima.pt
2015
Preto for Rustan’s in Business World Ph
2017
Ricardo Preto designs for the world in PhilStar
2016
ModaLisboa: o primeiro dia teve Amor in TimeOut.pt
2017
Ricardo Preto - ModaLisboa Ever.Now in Máxima
2013
Back to Top